26.9 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Hamilton de Holanda sobre pandemia: “Transformei a tristeza em música”

Hamilton de Holanda sobre pandemia: “Transformei a tristeza em música”

O músico Hamilton de Holanda foi o primeiro convidado da nova série de lives da Veja Rio, #VejaRioAoVivo. No bate-papo, conduzido pela repórter Marcela Capobianco nesta terça (13), o bandolinista falou sobre o “novo normal” das apresentações musicais, as transformações vividas na pandemia e o que espera sobre o futuro.

Hamilton está em turnê pela Europa e será uma das atrações do Rio Montreux Jazz Festival, que acontece entre os dias 23 e 25 de outubro, numa edição on-line. Ele conversou com VEJA Rio diretamente de Luxemburgo.

“O palco é um lugar sagrado e necessário para mim. Eu já não via a hora de voltar”, celebrou o músico.

+ Após 14 anos, peça com Du Moscovis e Ana Lucia Torre terá versão on-line

Confira abaixo alguns trechos da conversa:

Shows on-line

“Confesso que durante esses sete meses me senti num vazio terrível. O palco é sagrado. As lives vêm sendo uma maneira muito boa de encontrar as pessoas, ainda que virtualmente. É diferente não receber aplausos, mas é legal perceber que o afeto vem pela tela, com os coraçõezinhos que pipocam durante a live. Vamos nos adaptando e dando nosso jeito”

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Novo normal

“O mundo inteiro está igual. Nos shows, todo mundo fica de máscara, com álcool em gel nas mãos. Nos hotéis, os copos e objetos são desinfetadas e empacotados. É tudo muito diferente”

Reavaliação de rota

“Aproveitei a quarentena para entrar de cabeça no curso on-line que eu dou, sobre improvisação musical. Também fiz algumas lives, mas muitas vezes me sentia triste. Não fiz as três turnês que realizaria nos Estados Unidos e os shows marcados para a Europa, que seriam em abril, estou recuperando agora. Um outro ponto positivo foi poder passar mais tempo com os meus filhos. Eu viajava muito, então foi gostoso ficar junto com a família por mais tempo”

Continua após a publicidade

Arte salva

“Ao compor, transformei toda a tristeza em música. Desde o primeiro dia do ano faço uma música por dia. Na pandemia, tive alguns problemas com a inspiração. Acho que o que me inspira é a convivência, a troca com outros seres humanos. Dessa vez, a inspiração veio da família, da tristeza, das lembranças… Minha maneira de sublimar a tristeza é criando música”

+ Grátis: festival de tecnologia terá oficinas e palestras pela internet 

Futuro

“A live é um caminho sem volta. Essa possibilidade de tocar com um amigo que está em outro continente é incrível. O famoso delay já está sendo revertido, uso inclusive um aplicativo muito bom: jam kazam, que faz com que os músicos toquem sem delay. Fico imaginando que daqui para frente as pessoas vão começar a fazer evento on-line e presencial ao mesmo tempo. Também não vejo a hora de voltar com o Baile do Almeidinha, no Circo Voador. Já combinei com a direção do espaço que faremos o primeiro Baile Sem Máscaras”.

+Grátis: festival exibe apresentações de dança e música clássica no YouTube 

 

Continua após a publicidade

- Advertisement -