24.9 C
Rio de Janeiro
Home Economia Bolsas da China fecham em queda após inflação fraca em setembro

Bolsas da China fecham em queda após inflação fraca em setembro

Empresas industriais pesaram no índice depois que os preços de fábrica caíram a um ritmo mais rápido do que o esperado em setembro. As ações da China terminaram em queda nesta quinta-feira (15), apagando ganhos anteriores depois que dados mostrando os preços nas portas das fábricas em queda e uma inflação ao consumidor fraca em setembro ressaltaram os desafios persistentes que a economia enfrenta à medida que se recupera da pandemia de Covid-19.
O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,17%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,26%.
As empresas industriais pesaram no índice mais amplo, cedendo 0,92% depois que os preços de fábrica caíram a um ritmo mais rápido do que o esperado em setembro e a inflação ao consumidor desacelerou para seu ponto mais fraco em 19 meses, ressaltando os desafios contínuos enfrentados pela economia chinesa.
Os futuros do minério de ferro ampliaram perdas nesta quinta-feira e o contrato de referência na bolsa de Dalian tocou nova mínima de duas semanas, com crescentes estoques do material em portos e o enfraquecimento da demanda física por produtos de aço pesando sobre o sentimento do mercado.
O contrato mais negociado do minério de ferro na China, para janeiro de 2021, encerrou em queda de 2,2%, a 787,50 iuanes por tonelada. O contrato chegou a cair para 783,50 iuanes mais cedo na sessão, o nível mais fraco desde 30 de setembro.
Bolsas europeias abrem em queda
As bolsas europeias operavam em forte queda na manhã desta quinta-feira. A redução das esperanças com a possibilidade de um novo pacote de estímulo fiscal nos EUA antes da eleição americana de 3 de novembro e o retorno das restrições ao redor da Europa diante do aumento de casos de covid-19 causam aversão ao risco generalizada na sessão.
Por volta de 8h15, o índice pan-europeu Stoxx Europe 600 caía 2,09%, a 362,88 pontos, puxado para baixo pelos setores automobilístico, em queda de mais de 3%, e bancário, que recuava mais de 2%.
Vídeos: veja últimas notícias de economia no Brasil e no mundo

- Advertisement -