- Advertisement -
26 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Órgão Especial do TJ decide afastar juiz acusado pelo MPRJ de corrupção...

Órgão Especial do TJ decide afastar juiz acusado pelo MPRJ de corrupção e venda de sentenças

Decisão afasta provisoriamente João Luiz Amorim Franco do cargo e determina a abertura de processo administrativo disciplinar contra o magistrado. A defesa dele nega as acusações. Desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decidiram, na tarde desta segunda-feira (19), afastar do cargo o juiz João Luiz Amorim Franco.
Titular da 11ª Vara de Fazenda Pública da Capital, o magistrado é suspeito de vender sentenças e de cobrar percentuais para nomear peritos – há seis dias, Amorim Franco foi denunciado pelo Ministério Público estadual (MPRJ) por, supostamente, ter cometido os crimes. A defesa do magistrado nega as acusações.
A decisão desta segunda, proferida pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Claudio de Mello Tavares, afasta provisoriamente Amorim Franco e determina a abertura de processo administrativo disciplinar contra o magistrado.
Ao todo, 17 desembargadores do Órgão Especial foram favoráveis à manifestação do corregedor do TJ, desembargador Bernardo Garcez, e definiram que Amorim Franco deveria ser afastado enquanto durar o processo administrativo.
A desembargadora Katya Monnerat, que também integra o órgão, pediu “vista” do processo e deverá apresentar o voto em outro momento.
Da Corregedoria à denúncia do MP
A investigação contra Amorim Franco começou na Corregedoria do Tribunal de Justiça do RJ, que enviou o processo ao Grupo de Atribuição Originária Criminal do MPRJ.
A Corregedoria do TJ constatou que 80% das perícias feitas na 11ª Vara da capital foram concentradas em apenas quatro peritos, um deles chamado Charles William. O órgão também identificou valores incompatíveis entre a renda e o patrimônio do perito e do juiz.
Juiz é denunciado por Ministério Público por venda de sentenças e recebimento de propina
Em 2019, em uma investigação do Ministério Público Federal (MPF) sobre irregularidades na Fetranspor — a federação das empresas de ônibus do RJ —, Charles acabou preso e firmou acordo de delação premiada.
Com base nas afirmações de Charles, a denúncia afirma que, entre 2007 e o ano passado, João Luiz e Marcos Farah solicitaram e receberam de Charles Fonseca William 10% do valor bruto dos honorários de cada perícia realizada.
A vantagem indevida seria uma contrapartida pela indicação de Charles para o serviço e ocorreu, segundo o MPRJ, pelo menos 179 vezes. Os pagamentos eram feitos no estacionamento do condomínio onde o juiz mora.

- Advertisement -