31.2 C
Rio de Janeiro
Home Economia CVC avalia reduzir operação na Argentina, diz presidente

CVC avalia reduzir operação na Argentina, diz presidente


Grupo de turismo é dono de três empresas no país vizinho. Loja da CVC Brasil
Divulgação
A CVC Corp, dona das marcas CVC, Submarino Viagens, Ola, Bibam, Visual, Experimento, Grupo Trend, VHC, RexturAdvance e Esferatur, informou que avalia reduzir o tamanho da sua operação na Argentina, enquanto o país vizinho não dá sinais de recuperação no mercado de turismo.
“A Argentina tem uma economia cada vez mais difícil e o governo não consegue mudar questões internas. Existe muita restrição para demitir as pessoas. A gente não consegue fazer uma grande reestruturação do negócio. Acho que vamos reduzir o escopo da operação na Argentina antes de voltar a crescer”, afirmou Leonel Andrade, presidente da CVC Corp, em teleconferência para analistas de mercado.
CVC prioriza margem operacional contra crescimento para sobreviver
A CVC é dona de três empresas na Argentina, da Almundo, na qual detém 100% do capital, e as empresas Ola e Biblos, na qual opera com sócios minoritários. “Estamos conversando com os sócios para avaliar uma solução. No caso da Almundo, a gente consegue ter controle total. Já conseguimos absorver 100% da tecnologia e integrar com a tecnologia instalada no Brasil”, afirmou Andrade.
O executivo observou que o grupo não fez corte de pessoal no Brasil, mas conseguiu fazer redução de salário e jornada e reduzir outros custos operacionais durante a pandemia. Na Argentina, a companhia não pôde atuar da mesma forma, por questões regulatórias.
O presidente da CVC acrescentou que a pandemia ainda está crescendo na Argentina. O mercado de turismo está fechado e a economia, deteriorada. “O que estamos vivendo na Argentina agora é o que vivemos no Brasil em junho”, disse. O executivo afirmou ainda que espera ter um cenário mais claro para a Argentina apenas a partir do primeiro trimestre de 2021.
“Na Argentina é preciso atenção redobrada porque a variação de câmbio é enorme. Precisamos trabalhar muito com hedge cambial e conservadorismo nas margens. A gente prefere não vender se não for um negócio rentável”, acrescentou Andrade.

- Advertisement -