- Advertisement -
26.1 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Crivella, agora preso, lançaria livro sobre o seu legado ainda este mês

Crivella, agora preso, lançaria livro sobre o seu legado ainda este mês

Uma semana antes de ser preso – ou seja, na última terça, dia 15 de dezembro -,  o então prefeito do Rio, Marcelo Crivella, passou a maior parte do dia em reunião com todos os seus 15 secretários em uma sala fechada, no Palácio da Cidade. Motivo: definir com os titulares das pastas o conteúdo dos capítulos do livro sobre sua gestão que pretendia lançar, a toque de caixa e bancado com recursos públicos.

‘Tirei recursos do Carnaval’, diz Crivella, ao justificar ‘bom governo’

Foram três dias consecutivos de reuniões (segunda, terça e quarta), em dois períodos. Nem todos os participantes dos encontros usavam máscara, e o desrespeito às “regras de ouro” tão propagandeadas pela prefeitura se deu em meio ao colapso no sistema de saúde da cidade – nesta mesma semana o Rio chegou a bater recorde nacional no número de mortos em decorrência do coronavírus.

Profecia, Zé Pelintra… A web não perdoa a prisão de Crivella; veja memes

A agenda pouco usual causou estranhamento até nos secretários mais leais a Crivella, que não esconderam o desconforto com a situação. Alguns passaram mais de uma hora fazendo a apresentação de seu legado em Power Point, com frequentes interrupções e considerações do prefeito. A ideia de Crivella era lançar o livro em cerca de 15 dias, antes de passar o cargo ao seu sucessor, Eduardo Paes.

Prefeito Marcello Crivella é preso na manhã desta terça (22)

A semana de reuniões para definição dos capítulos da obra auto-elogiosa, aliás, culminou com a assinatura de um decreto fora dos padrões. Na sexta (18), o prefeito decidiu mudar o nome de uma importante via de Campo Grande, a Estrada do Cabuçu. Com uma canetada, ela passou a se chamar Estrada Bispo Daniel Malafaia, em homenagem ao líder religioso da Assembleia de Deus, primo do Pastor Silas Malafaia.

Prioridades: Crivella muda nome de rua para homenagear primo de Malafaia

Morto por causa de complicações do coronavírus, Daniel, 69 anos, foi a única das (até então) 14 237 vítimas do coronavírus na cidade a merecer tamanha honraria. O prefeito eleito Eduardo Paes anunciou que vai anular o decreto – o Bispo Daniel Malafaia deve ser homenageado em outra parte da cidade.

Continua após a publicidade

- Advertisement -