18.3 C
Canoas
Home Política ‘Começa a ficar cansativo’, diz Barroso sobre ter que desmentir Bolsonaro

‘Começa a ficar cansativo’, diz Barroso sobre ter que desmentir Bolsonaro

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, rebateu nesta quinta-feira, 9, durante sessão da Corte, ponto a ponto as afirmações feitas por Jair Bolsonaro no dia 7 de setembro para desacreditar o sistema eleitoral do país.

“Já começa a ficar cansativo ter que desmentir falsidades para que não sejamos dominados pela pós-verdade, pelos fatos alternativos, para que a repetição da mentira não crie a impressão de que ela se tornou verdade”, disse Barroso. Segundo ele, a tática de desacreditar a votação, adotada pelo presidente, é observada em vários países onde floresceram fenômenos como o populismo, o autoritarismo e o extremismo, e tem o objetivo de permitir a contestação dos resultados da eleição em caso de derrota. “Para maus perdedores, não há remédio na farmacologia jurídica”, afirmou.

O ministro também respondeu às declarações de Bolsonaro que insinuam que ele, Barroso, interferiu no processo legislativo e pressionou a Câmara a rejeitar a proposta de implantação do voto impresso. Barroso disse que participou de debates com deputados a convite deles, e, alfinetando o governo, afirmou que não dispõe de verbas para distribuir aos congressistas. “É uma covardia atacar a Justiça Eleitoral por falta de coragem de atacar o Congresso Nacional, que é quem decide a matéria”, afirmou o presidente do TSE.

Barroso disse que seu pronunciamento era feito “em nome dos milhares de juízes e servidores que servem ao Brasil com patriotismo, não o da retórica de palanque, mas o do trabalho duro e dedicado”. Falou da disseminação em massa de fake news como estratégia política, das acusações – sem provas – de que houve fraude em eleições passadas e acrescentou que, salvo os radicais e os mercenários, que são “cegos pela monetização da mentira”, “todas as pessoas de bem sabem que não houve fraude e quem é o farsante nessa história”. Por fim, o ministro afirmou que, “com a benção de Deus”, o presidente eleito pelo voto popular em 2022 tomará posse normalmente em janeiro de 2023. “A falta de compostura nos envergonha perante o mundo. Não podemos permitir a destruição das instituições para encobrir o fracasso econômico, social e moral que estamos vivendo”, concluiu.

- Advertisement -

Conecte

0FansLike
7FollowersFollow