23.9 C
Rio de Janeiro
Home Mundo Presidente da Argentina declara três dias de luto pela morte de Maradona

Presidente da Argentina declara três dias de luto pela morte de Maradona

Fã declarado de Diego Maradona, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, decretou três dias de luto oficial no país, a partir desta quarta-feira, 25, pela morte do ex-jogador. O ídolo, de 60 anos, sofreu uma parada cardiorrespiratória na casa em que se recuperava de uma cirurgia na cabeça, em Nordelta, na província de Tigre, na região norte da capital Buenos Aires. A notícia foi publicada em primeira mão pelo jornal Clarín.

“Por ocasião da morte de Diego Armando Maradona, o presidente da nação decreta três dias de luto nacional a partir da data”, afirma um comunicado da Presidência.

Pouco antes, Fernández já havia publicado em suas redes sociais uma foto abraçado ao craque, junto a uma pequena frase.

“Você nos levou ao ponto mais alto do mundo. Nos fez imensamente felizes. Foi o maior de todos. Obrigado por ter existido, Diego”, escreveu o presidente. “Iremos sentir sua falta por toda a vida”.

Continua após a publicidade

Duas semanas após a posse de Fernández, em dezembro de 2019, Maradona visitou a Casa Rosada para se encontrar com o mandatário, para delírio de funcionários, que pararam suas atividades para recebê-lo e tirar fotos. Na ocasião, o histórico camisa 10 de clubes como Boca Juniors, Napoli e Barcelona se reuniu com o presidente e com o ministro do Turismo e dos Esportes, Matías Lammens, para apresentar um plano de revitalização de campos de futebol em áreas mais pobres do país.

Apesar do clima mais sério, Fernández aproveitou a oportunidade para pedir ao ídolo que assinasse uma camisa do Argentina Juniors, clube para o qual torce e onde Maradona iniciou sua carreira. “Para Alberto, com meu coração do povo”, escreveu na camisa entregue ao presidente. Os dois também tiraram mais fotos abraçados e sorrindo.

Depois do encontro, Maradona foi à sacada da sede da Presidência para saudar centenas de transeuntes e turistas que o esperavam. A sacada foi a mesma onde subiu em 1979, quando ganhou o mundial juvenil. A história se repetiu sete anos depois, quando a seleção argentina foi campeã da Copa do Mundo de 1986, no México. Em 1990, o “Pibe de Oro” voltou ao local, quando a Argentina ficou em segundo lugar na Copa de 1990, disputada na Itália, após derrota para a então Alemanha Ocidental.

Diego Maradona gesticula com uma pequena réplica do troféu da Copa do Mundo na varanda do Palácio do Governo, depois de uma reunião com o presidente da Argentina, Alberto Fernández, na Casa RosadaRicardo Ceppi/Getty Images

Melhor jogador da Copa de 86, Maradona nunca escondeu seu apoio a Fernández e à vice-presidente Cristina Kirchner, que foi presidente entre 2007 e 2015. Além disso, sempre deixou clara sua irritação com o ex-presidente Mauricio Macri.

De acordo com o Clarín, a família e os amigos próximos que acompanhavam Maradona em sua recuperação disseram que ele estava muito “ansioso e nervoso” nos últimos dias. Por isso, havia a possibilidade de ele ser transferido para Cuba, país onde o ex-jogador foi internado em 2004 para realizar um tratamento para superar a dependência das drogas.

No último dia 3, Maradona foi internado em uma clínica em Olivos, em Buenos Aires, para a retirada de um coágulo no lado esquerdo da cabeça. Oito dias depois da cirurgia, recebeu alta e foi para Nordelta para se recuperar em uma casa que contava com profissionais de saúde para auxiliá-lo.

Em meio ao tratamento, Maradona apresentou episódios de confusão mental, causados pela abstinência do álcool. O argentino tinha longo histórico de dependência química. Em 2017, contou em entrevista à emissora italiana Mediaset que consumiu drogas pela primeira vez com 24 anos, quando era atleta do Barcelona.

Continua após a publicidade