16.9 C
Canoas
Home Mundo Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20...

Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados após 20 anos

Por 20 anos, o consultório médico legista da cidade de Nova York conduziu discretamente a maior investigação de pessoas desaparecidas já realizada no país — analisando as 22.000 partes de corpos cuidadosamente recuperadas dos destroços após os ataques do 11 de setembro. 

Os cientistas ainda estão testando o vasto inventário de restos mortais não identificados para uma conexão genética com as 1.106 vítimas. Centenas de famílias ainda não tiveram a oportunidade de recuperar os restos mortais para realizar um enterro adequado.

Por meio de uma nova tecnologia, o consultório médico legista consegue comparar a amostra de um minúsculo fragmento de osso encontrado entre os milhares de restos mortais.

As identificações de vítimas ocorrem menos de uma vez por ano hoje, muito longe dos anos imediatamente posteriores a 2001, quando havia centenas de identificações a cada ano. Até agora, 1.647 pessoas foram identificadas.

Em 2005, com a agência esgotando seus resultados positivos, os funcionários disseram às famílias que estavam interrompendo o trabalho no projeto porque as correspondências de DNA não estavam mais avançando.

Mas a agência retomou rapidamente a missão no mesmo ano, usando técnicas mais refinadas que a ajudaram a retestar com sucesso amostras previamente analisadas no inventário de restos mortais. 

Apesar da alta demanda da agência por causa da pandemia de Covid-19, o projeto de identificação genética continua sendo uma das prioridades.

Na Sala de Moagem de Osossos, para evitar a contaminação do delicado material genético, os trabalhadores devem se vestir da cabeça aos pés com equipamentos de proteção e certificar-se de que o corte dos fragmentos ósseos seja feito com uma pequena serra elétrica dentro de uma caixa de plástico transparente contendo o pó de osso.

Os fragmentos são primeiro raspados com uma navalha e, em seguida, limpos com uma escova de dentes e vários detergentes. Como é difícil extrair DNA de um osso intacto, o fragmento é então triturado em um pó tão fino quanto possível.

Os trabalhadores do laboratório ainda usavam almofariz e pilão para esmagar manualmente fragmentos de ossos quando o projeto começou em 2001, mas desde então automatizaram o processo por meio de rolamentos de esferas e vibração ultrassônica. 

Os fragmentos são colocados em um tubo de vidro e congelados com a ajuda de nitrogênio líquido em uma máquina “moinho de ossos” que o sacode vigorosamente.

Os cientistas agora também usam incubação e vários produtos químicos para extrair DNA para tentar fazer a correspondência com as amostras enviadas há muito tempo por membros da família.

Algumas vítimas podem nunca ser identificadas porque foram totalmente incineradas, e as famílias de quase 100 vítimas se recusaram a enviar uma amostra ou ofereceram uma com muito pouco DNA para correspondência.

A agência retorna todos os restos recém-identificados em um pacote lacrado a vácuo marcado com uma bandeira americana e o “número de identificação de desastre” atribuído a cada um dos 22.000 restos mortais. 

Apesar do longo tempo decorrido, as pessoas que trabalham para identificar os restos mortais acreditam que é um dever especial continuar a busca.

- Advertisement -

Conecte

0FansLike
7FollowersFollow