26 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Aplicativos de transporte serão cobrados pelo uso de vias públicas no Rio

Aplicativos de transporte serão cobrados pelo uso de vias públicas no Rio

Foi publicado nesta terça (16) pela Prefeitura do Rio, o decreto que regulamenta os serviços de transporte por aplicativos, como uber, 99 táxi, e outros. Segundo o artigo divulgado no Diário Oficial, será cobrada uma taxa de 1,5% sobre o valor total das corridas, pelo uso intensivo das vias da cidade.  

A quantia arrecadada será destinada ao Fundo Municipal de Mobilidade Urbana Sustentável (FMUSO), para implementação de melhorias nos acessos públicos. As medidas entrarão em vigor 30 dias após a publicação.

Entre as justificativas apresentadas, estão “evitar a ociosidade ou sobrecarga da infraestrutura urbana disponível”, “garantir a segurança o conforto nos deslocamentos”, “incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias que aperfeiçoem o uso dos recursos do sistema de transporte” e “harmonizar o uso do transporte público com meios alternativos de transporte individual menos poluentes”.

Além disso, os motoristas deverão seguir uma série de normas para atuar na cidade, como:

– Contratar Seguro de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa (RC-F), além do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT);

–  Inscrever-se como contribuinte individual do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

Continua após a publicidade

– Ter Carteira Nacional de Habilitação na categoria B ou superior que contenha a informação de que exerce atividade remunerada;

– Conduzir veículo com idade máxima de 10 anos; no mínimo, 4 portas e capacidade máxima de 7 passageiros;

– Possuir  o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV);

– Apresentar certidão negativa de antecedentes criminais.

O prefeito Eduardo Paes também criou um Comitê para Estudos e Regulamentação Viária de Aplicativos (Cerva), responsável por estabelecer as regras de cobrança e definir os regulamentos e multas pelo descumprimento das medidas. 

A Rio Ônibus afirmou que a iniciativa pode ser uma “esperança para crise dos ônibus”. Segundo a entidade, diferentes regiões do mundo já destinam parte dos impostos relacionados às corridas por aplicativos para investimentos nos transportes coletivos e na redução do preço das passagens, como no Brasil já ocorre nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Fortaleza e Curitiba.

“No Rio de Janeiro quem paga a passagem é única e exclusivamente o passageiro. É um custo muito alto para o cidadão e um valor baixo para a devida manutenção de um sistema adequado para todos. Embora ainda não tenha sido anunciado o tipo de destinação, o anúncio de cobrança pela Prefeitura traz esperança aos operadores do transporte público municipal, que passam pela maior dificuldade financeira da história.”, declara Paulo Valente, porta-voz da Rio Ônibus.

Continua após a publicidade