27.8 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Bip Bip lança campanha de doações para não fechar as portas

Bip Bip lança campanha de doações para não fechar as portas

Alô, alô, turma da boa música e da boemia! Aberto em 1968, o icônico Bip Bip, considerado Patrimônio Cultural Carioca, em Copacabana, fará uma campanha de doações para não sucumbir à crise causada pela pandemia do novo coronavírus. É que o reduto de emblemáticas rodas de samba, choro e bossa nova, fundado pelo lendário Alfredinho, falecido há dois anos, precisa de R$ 10 000,00 para seguir de portas abertas. 

Segundo a turma que administra o bar, a ideia é que os clientes façam uma espécie de “assinatura” e se comprometam a depositar mensalmente uma quantia a fim de ajudar o endereço a quitar as contas e – bastante importante – continuar a colaborar com os projetos sociais que Alfredinho sempre fez questão. Aos contribuintes serão sorteadas relíquias que compõem o acervo do mobiliário do espaço, com 18 metros quadrados, a exemplo de quadros, fotos, camisas raras e antigas, livros e CD’s (não há valor mínimo estipulado para doação, mas quem depositar mais de R$ 100,00 concorrerá aos artigos mais valiosos). 

O objetivo da “vaquinha” é que o estabelecimento se mantenha até setembro, quando está prevista a retomada das atividades presenciais. Por ora, a quem interessar, é possível contribuir transferindo para o PIX E CPF 057.466.146-88 (Marina Monteiro), destacado no perfil da casa. 

+Direita ou esquerda? Meme divide os bares do Rio por ideologia política

Vale ressaltar que, apesar de fechado há um ano, o endereço se manteve ativo culturalmente por meio das 150 lives, com duração média de cinco horas, via redes sociais. “Ao todo, foram mais de 700 horas de música que o bar proporcionou. Os músicos nunca ganharam para tocar. Sempre o fizeram por prazer e liberdade, e talvez por isso a magia da música no Bip ser tão boa. Porém, de portas fechadas neste tempo, não entra nada. Daí o dinheiro acabou. Por isso, vamos fazer uma nova campanha para o bar não fechar de vez”, conta o músico Tiago Prata.

No ano passado, inclusive, Chico Buarque, em vídeo, pediu ajuda para o endereço.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade