23.4 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Botafogo tem pior taxa de isolamento social dos bairros monitorados do Rio

Botafogo tem pior taxa de isolamento social dos bairros monitorados do Rio

O Rio registrou na última semana a menor taxa de isolamento social desde o início da pandemia, em março de 2020: 30% entre os dias 21 e 27 de fevereiro (até então, o índice nunca tinha ficado abaixo de 42%). Comparado a uma semana normal, antes da pandemia, viu-se em média 30% menos pessoas na rua. Há quase um ano, esse número atingiu a marca de 85%. Não se trata de um bom indicador, sobretudo em tempos de avanço de novas variantes e aumento de diagnósticos e mortes em função do vírus.

+Após “tapa” do prefeito, bar revida com rodízio de tapas

Quando se divide por bairros monitorados, Botafogo, na Zona Sul, lidera os piores indicadores: na última segunda (1º), por exemplo, o isolamento estava em -18% (leia-se 18% a mais de pessoas nas ruas do que antes da chegada da doença). Atualmente, a região aparece classificada com risco alto para contaminação da Covid-19 e figura em sétimo lugar na lista da Secretaria municipal de Saúde do Rio. Leblon, Ipanema e Copacabana apresentaram, no mesmo período, as taxas mais baixas desde março de 2020.

+Coronavírus: 25 casos de variantes são registrados no Rio

Os dados são do monitoramento feito pela empresa de inteligência artificial Cyberlabs, em parceria com o Centro de Operações Rio (COR), da prefeitura. Veja a seguir como estão as taxas nos seis bairros monitorados: Botafogo é seguido da Tijuca, com 18%; Copacabana (28%) Leblon e Ipanema (ambos 39%), Centro (52%) e Barra (57%).

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade