23.1 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Crivella: ex-prefeito pode ir da cadeia para a embaixada da África do...

Crivella: ex-prefeito pode ir da cadeia para a embaixada da África do Sul

Já está nas mãos do governo da África do Sul a indicação de Jair Bolsonaro para que o ex-prefeito do Rio, Marcelo Crivella, assuma a embaixada daquele país, considerado estratégico para a política externa brasileira. Crivella foi preso às vésperas do Natal de 2020, acusado de participar de um esquema de corrupção que acontecia dentro da prefeitura.  Ele chegou a passar uma noite no presídio, mas foi autorizado a cumprir prisão domiciliar no dia seguinte.

Agatha Moreira retira apoio a Juliana Paes: ‘Tenho horror ao Bolsonaro’

O nome do ex-prefeito e pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus ainda depende do aval do governo sul-africano (o “agrément”) para ocupar o cargo, atualmente é ocupado por Sergio Danese – ele assumiu o posto há cinco meses, e seria deslocado para dar lugar a Crivella. O ex-prefeito é aliado político de Bolsonaro, que o apoiou nas últimas eleições municipais, quando ele tentou se reeleger, mas acabou derrotado por Eduardo Paes.

Comunista delirante ou direita arrogante? Quem é você na treta de Ju Paes?

A notícia da indicação de Crivella ao posto de embaixador na África do Sul – onde ele já viveu e fez um trabalho de evangelização, nos anos 90 – caiu com uma bomba no meio diplomático. A avaliação é que o político possa ter como objetivo representar mais a Igreja Universal do que o Estado Brasileiro naquele país.

Covid: Você sabe usar a máscara direitinho? Leandra Leal vai te ensinar

Pastores da IURD foram expulsos de Angola, e também acusados de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa na África do Sul; Edir Macedo (tio de Crivella e fundador da Igreja), sinalizou seu descontentamento com o que considerou falta de apoio do Itamaraty à Instituição.

Alcoolismo e saúde

Ele ameaçou romper com Bolsonaro, que estaria indicando o ex-prefeito à embaixada com forma de prestigiar a Igreja Universal do Reino de Deus no continente africano e também fazer um afago no Bispo, cujo apoio é considerado essencial nas suas pretensões de se reeleger presidente em 2022.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui