20.9 C
Rio de Janeiro
Home Rio de Janeiro Por que as terapias alternativas estão ganhando espaço no mundo pet?

Por que as terapias alternativas estão ganhando espaço no mundo pet?

Terapia animal: nos consultórios veterinários do Rio, ganham destaque tratamentos como a cromoterapia, a fitoterapia e até a ozonioterapiaiStock/Getty Images

Nos últimos tempos, a busca por um estilo de vida mais saudável tem levado muita gente a repensar os hábitos, começando pelo básico — uma melhor alimentação e atividades físicas regulares. Essa trilha do bem-estar, não raro, desemboca nas chamadas terapias alternativas, complementares aos tratamentos convencionais. A lista de opções aí é farta e, para quem planeja aderir, a boa notícia é que há cada vez mais estudos comprovando seus benefícios.

O fenômeno não se limita apenas a nós, humanos, mas vem se espalhando também pelo vasto mundo animal. “Quando a minha primeira buldogue fez 2 anos, apareceram problemas na coluna e a acupuntura garantiu a ela uma ótima qualidade de vida”, conta a professora Fátima Merola, moradora de Laranjeiras. Dona de três cães e dois gatos, ela passou a fazer uso frequente da técnica em seus bichinhos e ainda somou à cesta alternativa os florais quânticos. “Amora toma para crises alérgicas, já o Mano Brown e o Benny usam para dissolver os cálculos renais”, detalha. “Às vezes, até me confundo com todos aqueles vidrinhos, mas sei que mal também não faz.”

A acupuntura é uma das mais procuradas terapias alternativas oferecidas no campo veterinário. Oriunda da medicina tradicional chinesa, existe há cerca de 5 000 anos e aportou durante o século XIX no Brasil, mais precisamente no Rio, com a chegada dos primeiros imigrantes de países asiáticos. Ganhou um bom espaço na década de 80, até ser reconhecida como uma especialidade pelo Conselho Federal de Medicina, em 1995. O tratamento, que consiste na aplicação de agulhas bem fininhas em pontos específicos do corpo, pode ser empregado para atacar diversas enfermidades — inclusive no caso dos pets.

“Neles, tratamos distúrbios musculares, respiratórios, digestivos, neurológicos, hormonais e mesmo emocionais”, enumera a veterinária Eliane Nishijima. Adepta da técnica desde 1997, ela é uma das precursoras no Rio na adoção da acupuntura para pequenos animais e observa um interesse crescente, sobretudo nestes últimos meses. “A pandemia trouxe uma preocupação adicional com a saúde e o bem-estar dos pets, talvez por estarem mais tempo convivendo e observando suas necessidades”, afirma a especialista.

Mercado pet: florais (à dir.) e outros produtos para o bem-estar estão em alta na rede Petz (à esq.)Petz/Divulgação; Petz/Divulgação

Ao rol de tratamentos dedicados a caninos, felinos e outros pets, em cartaz nos consultórios veterinários do Rio, somam-se ainda a cromoterapia (à base de vibrações emitidas por raios de luz), a fitoterapia (a partir do uso de plantas medicinais) e até a ozonioterapia (na forma de compressa ou spray). Essa última foi indicada para o boxer Zeca, na tentativa de curar uma ferida na pata traseira de origem pós-cirúrgica. “Depois da operação, ele tomou vários remédios, mas não precisou mais ao iniciar a ozonioterapia, que, além ter acelerado bastante a cicatrização, agiu com efeito antibactericida”, diz a dona de Zeca, a empresária Valéria Magalhães.

Continua após a publicidade

Figurinha conhecida na Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, o cão ainda apresentou outras complicações de saúde sérias, como um tumor no coração e uma doença que comprometeu parte de seu pulmão. De novo, as terapias alternativas entraram em cena. “Os benefícios são biofísicos, não bioquímicos, então não trazem efeitos colaterais, o que é uma grande vantagem”, explica a veterinária Eliane Nishijima. Atualmente, o cachorrinho está muito bem, obrigado, integra a turma da acupuntura — faz toda semana, de forma preventiva — e, para enlaçar o pacote, toma seus florais diariamente. “Não sai barato, mas vejo que com quase 12 anos ele tem conseguido manter a energia de um animal jovem e saudável”, acrescenta Eliane.

O boxer Zeca: após a ozonioterapia, ele segue com a acupuntura –Léo Lemos/Divulgação

Segundo dados do Instituto Pet Brasil, o Rio contabiliza cerca de 12 milhões de animais de estimação, atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. Trata-se de um mercado que, no país, movimenta 40 bilhões de reais por ano e é altamente novidadeiro. “Um dos grandes destaques neste último ano foi a categoria de suplementos, que cresceu 88%. O tempo todo recebemos novos produtos, como vitaminas e nutrientes para melhorar ou fortalecer o sistema imune dos animais”, aponta Viviane Ravagnani, gerente comercial da Petz, dona de três megastores na cidade.

Outra grande rede, a Cobasi, com 112 lojas em onze estados, também observou a ascensão de itens relacionados ao bem-estar animal. “A venda de florais registra um aumento de 35% por ano desde 2019”, calcula a gerente de marketing Daniela Bochi. Com diferentes essências, cada uma para uma situação — tem para agressividade, hiperatividade e até latidos excessivos —, os vidrinhos maiores custam em média 48 reais e não possuem contraindicação. Ainda assim, vale para a bicharada a mesma regra aplicada ao Homo sapiens: o uso deve ser feito com acompanhamento profissional.

Fátima com a prole canina: florais para ajudar com alergias e problemas renais –Thais Merola Padua/Divulgação

Por recomendação de uma veterinária, a professora de artes visuais Gisela Viana introduziu sessões de reiki e cromoterapia na rotina de Vênus, uma shih tzu de 11 anos com problemas renais. “No início, ela ficava de um lado para o outro, mas hoje, só de ouvir a voz da profissional, relaxa e dorme a sessão inteira”, afirma Gisela. Com a pandemia ainda em alta, os atendimentos presenciais acabaram interrompidos, mas continuaram on-line, semanalmente, tanto para a cachorrinha quanto para sua dona, que também é adepta. “Sabe aquele papo de que o cão é igual ao dono? Muitas vezes isso acontece: o animal acaba se espelhando no tutor e por isso a terapia pode ter um efeito maior quando aplicada nos dois”, defende a veterinária Daniela Moury Kasai.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) já reconhece algumas dessas práticas como especializações profissionais, como a homeopatia e a acupuntura. Em 2020, o órgão regulamentou também o uso da ozonioterapia e do tratamento com células-tronco, dando respaldo e segurança a clientes e médicos. E dá-lhe agulhadas e latidos.

Continua após a publicidade