18.5 C
Canoas
Home Rio de Janeiro Rio ganha painel em homenagem a advogado e abolicionista Luiz Gama, no...

Rio ganha painel em homenagem a advogado e abolicionista Luiz Gama, no Centro


Grafite idealizado pelo Projeto Negro Muro e feito pelo artista Cazé fica na Rua da Constituição, 51. Lançamento marca o início do Seminário Jurídico do IBPEA, que acontece de maneira virtual. Rio ganha painel em homenagem a advogado e abolicionista Luiz Gama, no Centro
Divulgação
O Centro do Rio de Janeiro ganhou nesta sexta-feira (3) um painel de grafite em homenagem a Luís Gonzaga Pinto da Gama, advogado, abolicionista, jornalista e escritor brasileiro. O grafite faz parte do Projeto Negro Muro e foi feito pelo artista Cazé e produzido por Pedro Rajão.
Localizado na Rua da Constituição, 51, no Centro da cidade, a inauguração da obra de arte marca o lançamento do Seminário Jurídico do Instituto Brasileiro dos Pequenos e Médios Escritórios de Advocacia (IBPEA).
A produção do painel teve o apoio de instituições como a OAB, IAB e Sindicato dos Advogados do Rio.
Nascido em Salvador, Bahia, no dia 21 de junho de 1830, Luiz Gama foi negociado como escravo no Rio de Janeiro, em 1840
Divulgação
Durante o ato de lançamento do mural, nesta sexta, quem estava na região pôde acompanhar uma encenação dos atores Deo Garcez e Soraya Arnoni, que atuam na peça Luiz Gama, Uma Voz Pela Liberdade.
Quem foi Luiz Gama
Nascido em Salvador, na Bahia, no dia 21 de junho de 1830, Luiz Gama foi negociado como escravo no Rio de Janeiro, em 1840. Ele aprendeu a ler e escrever com 17 anos e em 1848 conquistou, em São Paulo, sua alforria na Justiça.
O mural em homenagem a Luiz Gama fica na Rua da Constituição, 51, no Centro do Rio
Divulgação
Luiz Gama foi jornalista e junto com o ilustrador Ângelo Agostini fundou o jornal Diabo Coxo, que se destacou por utilizar caricaturas que ilustravam as reportagens. Ele também participou de outros veículos de imprensa, como o Jornal Paulistano, o Ipiranga e A República.
O jornalista também colaborou com movimentos contra a escravidão, tornando-se um dos maiores líderes abolicionistas do Brasil. Em 1873 participou da Convenção de Itu, que criou o Partido Republicano Paulista.
Por meio de uma licença especial, o provisionamento, Luiz Gama trabalhou na defesa dos negros escravizados exercendo a profissão de “rábula” – nome dado aos advogados sem título acadêmico.
Na época, sua atuação nos tribunais teve destaque ao defender os escravos que podiam pagar pela carta de alforria, mas eram impedidos por seus donos de desfrutarem a liberdade.
O artista Cazé (esquerda) e o ator Deo Garcez junto com a obra em homenagem a Luiz Gama
Divulgação

- Advertisement -

Conecte

0FansLike
7FollowersFollow