18.3 C
Canoas
Home Economia Rio Meia Ponte entra em nível crítico de água que antecede necessidade...

Rio Meia Ponte entra em nível crítico de água que antecede necessidade de racionamento na Grande Goiânia


Indústrias e propriedades rurais já devem diminuir em 50% a captação de água. Segundo Semad, faz 82 dias que não chove na cabeceira do rio e vazão está em 2,7 mil litros por segundo. Rio Meia Ponte está com vazão em Nível Crítico 3
Reprodução/TV Anhanguera
O Rio Meia Ponte está a um nível do estabelecido pelo Plano de Racionamento para implantação do rodízio de abastecimento na Grande Goiânia. O portal da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) indica que já são 82 dias sem chuva na cabeceira e a vazão média está em 2,7 mil litros por segundo – o mínimo para abastecimento do sistema deste rio é de 2 mil litros por segundo.
Presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Meia Ponte (CBH-MP), Fábio Camargo explicou que a situação atual, de Nível Crítico 3, já estabelece que indústrias, empresas e propriedades rurais que captam água do rio devem diminuir essa demanda pela metade.
“Na verdade, o racionamento para o setor produtivo começou quando atingimos o Nível Crítico 2 [de acordo com a Semad, isso ocorreu em 18 de agosto]. Nessa situação, eles já têm que cortar 25% da captação”, disse.
Segundo a Semad, os responsáveis foram notificados em 21 de agosto de que teriam que reduzir a captação e que visitas são realizadas nas propriedades para conferência.
No entanto, até a última atualização desta reportagem, a pasta não havia divulgado se fez nova notificação sobre o aumento do corte – de 25% para 50% – e qual tem sido a avaliação dos agentes sobre o respeito a essa medida por parte dos agropecuaristas e indústrias.
Rio Meia Ponte, em Goiás
Reprodução/TV Anhanguera
Presidente da Saneago, Ricardo Soavinski lembrou que a região também é abastecida pelo Sistema João Leite. De acordo com ele, uma reserva feita pela Companhia pode ajudar a postergar ou evitar a necessidade de racionamento.
“Tudo depende do tanto que irá se prorrogar essa estiagem. Não vai causar restrição porque temos o João Leite, que é outro sistema produtor, e ali tem água reservada”, disse em entrevista à TV Anhanguera.
Presidente do CBH-MP, Fábio disse que a chave para evitar desabastecimento é o esforço conjunto da população e do setor produtivo.
“A população tem que consumir menos, o setor produtivo tem que captar menos. […] Todas as engrenagens têm que funcionar juntas, se não, todo mundo pode ser prejudicado”, lembrou.
Rio Meia Ponte a um de precisar de racionamento
Reprodução/TV Anhanguera
Racionamento
O plano da Saneago, elaborado em junho de 2021, prevê um cenário de rodízio de abastecimento de água, caso a vazão do Meia Ponte fique abaixo dos 2 mil litros por segundo.
Caso esse cenário se torne realidade, os moradores de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Trindade e Goianira podem ter que entrar no revezamento do fornecimento de água.
Se o rodízio entrar em vigor, o Sistema Meia Ponte deve ser dividido em quatro grupos: Norte, Oeste, Sudoeste e Sul. Um por um, esses grupos vão passar por três fases: desabastecimento, em recuperação e normal:
enquanto o primeiro grupo está em desabastecimento, os demais estão em fase normal;
no dia seguinte, o primeiro grupo passa para recuperação, o segundo para desabastecimento e os outros dois seguem em situação normal;
no terceiro dia, o primeiro grupo volta ao normal, o segundo vai para recuperação, o terceiro entra em desabastecimento, e assim segue sucessivamente.
A Saneago ressaltou que já toma medidas de contingenciamento para evitar desabastecimento. Além das campanhas que procuram conscientizar o consumidor a evitar o desperdício de água, a empresa evita a preda de água no sistema, por meio de “conjunto de obras e melhorias, que incluem: automação de sistemas, instalação de Válvulas Redutoras de Pressão, entre outros”.
Ainda de acordo com a Companhia, “Goiânia é atendida por três sistemas produtores: Meia Ponte (captação superficial), João Leite/ Jaime Câmara (captação superficial) e Mauro Borges (água represada)”, todos interligados.
“Quando acionada – no período de estiagem – a adutora reforça o sistema Meia Ponte com 800 litros de água por segundo”, o que é usado “para abastecer bairros atendidos pelo Rio Meia Ponte”.
Veja outras notícias da região no G1 Goiás.
VÍDEOS: saiba o que acontece em Goiás

- Advertisement -

Conecte

0FansLike
7FollowersFollow